Após episódio em que homem foi espancado até a morte Carrefour implanta nosso sistema de segurança

O Carrefour terminou em setembro a implementação nacional de um novo sistema de segurança. As mudanças foram definidas depois morte de João Alberto, em 19 de novembro de 2020. Ele foi espancado até a morte por seguranças em uma unidade do supermercado em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

Agora, 10 meses depois do homicídio, o Grupo Carrefour Brasil implementou novas regras de segurança. Uma delas, já anunciada em 2020, foi o fim da terceirização. Os profissionais de segurança também passaram a ser treinados e o uniforme teve a incorporação de câmeras de segurança.

Outro ponto importante da nova política é a contratação de seguranças seguindo critérios de diversidade. Claudionor Alves, diretor de Segurança, Riscos e Prevenção do Grupo Carrefour Brasil, afirmou que “há um olhar muito voltado para gênero e raça”.

Alves é negro e foi contratado depois do compromisso de diversificação e reparação do Carrefour. No Brasil, o grupo contratou 1.013 profissionais de segurança. “Desses, 68,81% são negros, ou seja, pessoas que se autodeclaram negras ou pardas; temos 35,93% mulheres”, disse o diretor de segurança.

A nova política do Carrefour faz parte dos compromissos que a empresa firmou no TAC (Termo de Ajustamento de Conduta), em junho deste ano. O custo do programa, segundo a empresa, foi de R$ 5 milhões. O projeto teve como teste uma mudança anterior nas lojas de Porto Alegre, onde João Alberto foi morto.

A empresa se comprometeu a aplicar R$ 115 milhões em políticas de reparação e promoção de igualdade racial. O acordo foi firmado com o MP-RS (Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul), o MPF (Ministério Público Federal), o MPT (Ministério Público do Trabalho), a DPE-RS (Defensoria Pública do Estado do Rio Grande do Sul), a DPU (Defensoria Pública da União). As entidades Educafro – Educação e Cidadania de Afrodescendentes e Carentes e Centro Santo Dias de Direitos Humanos também participaram.

CASO JOÃO ALBERTO

Em 19 de novembro de 2020, João Alberto Silveira Freitas, homem negro de 40 anos conhe, foi agredido até a morte em uma unidade do supermercado Carrefour no bairro Passo D’Areia, na zona norte da capital gaúcha.

O espancamento começou depois de desentendimento entre a vítima e uma funcionária do supermercado, segundo a Brigada Militar, como é chamada a Polícia Militar no Rio Grande do Sul.

A funcionária teria chamado a equipe de segurança do supermercado, que levou João Alberto para a entrada da loja. Nesse momento, segundo apurou a Polícia Civil, João Alberto teria iniciado a briga depois de dar um soco no policial militar. Em seguida, ele foi espancado pelos homens.

Em dezembro, o MP-RS apresentou denúncia contra 6 envolvidos no caso, que, segundo os promotores, trata-se de homicídio triplamente qualificado.

As lojas do Carrefour já foram palco de outros episódios de racismo e violência no Brasil, antes do espancamento de João Alberto.

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo
Fechar