PAGAR PARA TRABALHAR: Motoristas de apps como Uber e 99 gastam 53% do que ganham com combustível

Motoristas de aplicativo gastam mais da metade do que ganham nas corridas para abastecer o carro. A proporção era de 20% em 2017, mas disparou com a alta dos combustíveis. Resultado: motoristas deixando a profissão e menos oferta para usuários do serviço.

Com o aumento dos combustíveis pressionando os motoristas, Uber e 99 anunciaram um aumento dos valores repassados para os condutores há cerca de 1 mês. O reajuste é de 10% a 25% na 99 e de 10% a 35% na Uber, dependendo da demanda, do local e do horário da corrida.

A Amasp (Associação de Motoristas de Aplicativos de São Paulo) diz que o reajuste não compensa a alta dos combustíveis e deixou muitos trabalhadores frustrados. “O aumentou foi insatisfatório. Alguns motoristas nem sentiram a diferença. A categoria continua na mesma”, afirmou o presidente da Amasp, Eduardo Lima de Souza.

Os combustíveis veiculares ficaram em média 32% mais caros em 2021. O preço médio do litro da gasolina era de R$ 4,57 no início do ano, mas hoje é de R$ 6,09 e chega a R$ 7,16 em alguns locais do país, segundo a ANP (Associação Nacional de Petróleo). Já o etanol começou o ano custando R$ 3,17 e hoje sai por R$ 4,73.

Com o aumento dos combustíveis, 25% dos motoristas de aplicativo da cidade de São Paulo pararam de rodar, segundo a Amasp. A associação estima que o número de motoristas de aplicativo caiu de 120 mil para 90 mil desde o início do ano na capital paulista.

CARROS ALUGADOS
Assim como os combustíveis, o custo dos carros de aluguel subiu em 2021. O aumento foi de aproximadamente 25% e reflete a alta dos preços dos automóveis, segundo a ABLA (Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis). Por isso, 30 mil carros de aluguel foram devolvidos pelos motoristas de aplicativo no país em 3 meses.

A ABLA disse que o número de veículos alugados para motoristas de aplicativo recuou de 200 mil para 170 mil de julho a setembro. O número está 32% abaixo do potencial estimado pelas locadoras (250 mil).

“Com o aumento acentuado dos combustíveis e o reajuste da locação, os motoristas têm devolvido os carros. Dizem que não houve aumento da tarifa e que a rentabilidade do serviço ficou prejudicada”, afirmou o presidente da ABLA, Paulo Miguel Júnior.

1,1 MILHÃO DE MOTORISTAS
Uber e 99 dizem que o número de motoristas não se alterou. Afirmam ajudar os condutores parceiros a lidar com a alta dos combustíveis. Além do reajuste, a Uber oferece programas de desconto para a compra de combustíveis.

A 99 disse que “o objetivo é manter o equilíbrio da plataforma, possibilitando que a população continue tendo acesso a um meio de transporte financeiramente viável, seguro e eficiente”. A Uber afirmou que busca “sempre considerar, de um lado, as necessidades dos motoristas parceiros e, de outro, a realidade econômica dos consumidores, tendo em vista a preservação do equilíbrio oferta-demanda que é fundamental para a plataforma”.

Por outro lado, as empresas observaram um aumento da demanda de passageiros. Afirmam que a pandemia de covid-19 elevou o número de pessoas que buscam um meio de transporte sem aglomeração.

A Uber chamou essa situação de um “desequilíbrio temporário do mercado”. “Nesse sentido, os usuários estão tendo que esperar mais tempo por uma viagem porque, especialmente nos horários de pico, há momentos em que há mais solicitações do que motoristas parceiros disponíveis para atendê-las”, afirmou.

A companhia disse que, neste cenário, podem ocorrer com mais frequência cancelamentos pelos usuários, que não desejam esperar muito tempo pela viagem, e recusas pelos motoristas, que podem julgar que haverá corridas mais atrativas na sequência.

Para promover o “reequilíbrio do mercado”, a Uber oferece recompensas a motoristas que realizam viagens de curta distância e indicam outros condutores para a plataforma.

31% DO SETOR DE TRANSPORTE
Segundo o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), o Brasil tem aproximadamente 1,4 milhão de trabalhadores de aplicativo, sendo 1,1 milhão de motoristas e 278 mil entregadores. Esses trabalhadores correspondem a 31% do contingente de 4,4 milhões de pessoas que trabalham no setor de transporte, armazenagem e correio no Brasil.

Estudo do Ipea também afirma que menos de 5% desses trabalhadores veem os aplicativos como um trabalho secundário. Para o instituto, o número de trabalhadores por aplicativo cresceu exponencialmente nos últimos anos, com os empregos temporários por aplicativos servindo “como uma rede de segurança em tempos de crise econômica”.

O Ipea, no entanto, disse que a pandemia de covid-19 aumentou a vulnerabilidade desses prestadores de serviço, por causa da redução da renda e da ausência de direitos trabalhistas como seguro-desemprego e auxílio-doença.

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo
Fechar