Pazuello tentou demitir o suspeito de pedir propina em 2020, mas Bolsonaro manteve diretor por pressão política

O general Eduardo Pazuello pediu a demissão de Roberto Ferreira Dias da Diretoria de Logística do Ministério da Saúde em outubro do ano passado, quando ainda comandava uma massa. Mas, por pressão política, o presidente Jair Bolsonaro barrou a exoneração.

O despacho chegou a ser enviado para a Casa Civil, mas, de acordo com auxiliares de Bolsonaro na Saúde e no Palácio do Planalto, o ato foi brecado por Bolsonaro depois de o então presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) , interceder .

Pessoas próximas a Alcolumbre negam que o senador tenha protegido Dias, mas, procurado, o senador não quis se manifestar.

Roberto Dias acabou exonerado na terça-feira (29), depois que a Folha revelou que o representante de uma vendedora de vacinas afirmou ter pedido de propina de propina de US $ 1 por dose em troca de fechar contrato para compra de imunizante da AstraZeneca.

A exoneração de Dias foi publicada no “Diário Oficial da União” de quarta-feira (30).

O nome do diretor exonerado já foi citado em entrevista à Folha pelo deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) que, com o irmão Luis Ricardo Miranda, chefe do departamento de importação do Ministério da Saúde, denunciado por suspeita de irregularidade no contrato de compra da vacina Covaxin.

Segundo o deputado, Dias era quem dava as cartas na Saúde.

“Eu acho assim, nada ali acontece se o Roberto não quiser. Tudo o que aconteceu, inclusive a pressão sobre o meu irmão, é sob a aprovação dele. Sem ele, ninguém faz nada. Isso é uma das únicas certezas que tenho”, afirmou o Luis Miranda na entrevista.

A suspeita sobre a compra de vacinas veio à tona em torno da compra da vacina indiana Covaxin, quando a Folha revelou no dia 18 de junho o teor do depoimento sigiloso de Luis Ricardo Miranda ao Ministério Público Federal , que relatou pressão “atípica” para liberar uma importação da Covaxin. Desde então, o caso virou prioridade da CPI da Covid no Senado .

Na terça-feira, Luiz Paulo Dominguetti Pereira, que se apresenta como representante da empresa Davati Medical Supply, disse à Folha que Dias cobrou a propina em um jantar no dia 25 de fevereiro, em Brasília .

A empresa Davati buscou uma massa para negociar 400 milhões de doses da vacina da AstraZeneca com uma proposta feita de US $ 3,5 por cada (depois disso passado a US $ 15,5).

Na quarta-feira, a Folha revelou que emails que mostram que o Ministério da Saúde negociou oficialmente a venda de vacinas com os representantes da Davati Medical Supply.

As mensagens da negociação foram trocadas entre Roberto Ferreira Dias, Herman Cardenas, que aparece como CEO da empresa, e Cristiano Alberto Carvalho, que se apresenta como procurador dela.

As suspeitas sobre irregularidades na contratação de vacinas têm preocupado servidores da Saúde, que, com o recebimento de terem seus nomes envolvidos em escândalos, passaram a analisar cada vírgula de documentos que assinam.

Auxiliares de Jair Bolsonaro discutem nos bastidores como blindar o presidente das recentes denúncias contra seu governo em relação a contratos de vacinação . As crises constantes têm atingido uma de suas bandeiras eleitorais de que não haveria irregularidades em sua gestão.

Nesta quarta-feira (30), o Bolsonaro ignorou a denúncia de oferta de propina na compra de vacina e afirmou que mentiras não vão tirá-lo do Palácio do Planalto, referindo-se ainda à CPI da Covid no Senado como “CPI de bandidos” .

“Não consegue nos atingir. Não vai ser com mentiras ou com CPI, integrado por sete bandidos, que vão nos tirar daqui. Temos uma missão pela frente: conduzir o destino da nossa nação e pelo bem-estar e pelo progresso do nosso povo ”, disse em discurso de improviso durante visita a Ponta Porã (MS).

Reservadamente, assessores presidenciais criticam a demora do Planalto em reagir a turbulências, sobretudo as que envolvem a CPI da Covid no Senado. A queda de Roberto Ferreira Dias da Diretoria de Logística do Ministério da Saúde é um exemplo.

Desgastado nas últimas semanas em razão das suspeitas em torno da compra da vacina indiana Covaxin, ele só foi exonerado após o representante de uma vendedora de vacinas afirmar à Folha que ler dele pedido de propina de US $ 1 por dose em troca de fechar contrato.

O mesmo tem ocorrido em relação ao líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), apontado como um dos fiadores da indicação de Dias. Bolsonaro resiste em tirá-lo do posto, à espera de que o próprio deputado abra mão.

Diante do agravamento da crise envolvendo a compra das vacinas, o presidente passou a evitar até mesmo seus apoiadores, que às vezes o colocam em saia-justa com perguntas delicadas. Desde terça-feira (29), os eleitores bolsonaristas não estão sendo autorizados a entrar no Palácio da Alvorada.

Ao mesmo tempo, o Bolsonaro sofre pressão no Congresso. Em um aceno no dia em que um superpedido de impeachment contra ele foi protocolado na Câmara , o presidente agradeceu uma parceria na aprovação de projetos de quem chamou de “amigos do Poder Leegislativo”.

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo
Fechar