Bolsonaro usa dinheiro destinado à Covid-19 para inflar gastos militares

Cerca de R$ 140 milhões destinados à ações na pandemia foram desviados para o Ministério da Defesa que ficou ainda com parte do chamado “Orçamento de Guerra”, usado para comprar veículos militares e uniformes.

Relatório enviado à CPI da Covid-19 pela procuradora do Ministério Público de Contas de São Paulo Élida Graziane Pinto revela que Jair Bolsonaro (Sem partido) está desviando dinheiro destinado para o combate à Covid-19 para o Ministério da Defesa, inflando gastos militares que se multiplicaram por 13 entre 2020 e 2021.

Segundo o relatório, o governo já destinou cerca de R$ 730 bi em recursos extraordinários para o combate à pandemia – do auxílio emergencial à compra de materiais médicos.

Cerca de R$ 72 bilhões deveriam ir necessariamente para o Sistema Único de Saúde (SUS). No entanto, cerca de R$ 140 milhões teriam sido desviados para o Ministério da Defesa, sem quaisquer justificativas.

Cerca de R$ 130 milhões foram empenhados para “irrigar” 184 unidades militares.

De acordo com o relatório, o dinheiro foi repassado para as comissões aeronáuticas brasileiras em Washington (R$ 55 milhões) e na Europa (R$ 7,8 mihões), para a Comissão do Exército Brasileiro em Washington (R$ 3,113 milhões) e para o Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro (R$ 1,067 milhão).

O Ministério da Defesa também teria ficado com parte do chamado Orçamento de Guerra destinado à pandemia. O dinheiro foi gastos, entre outros, com compra de veículos de tração mecânica (R$ 22 milhões) e uniformes (R$ 1,2 milhão).

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo
Fechar