‘VACINAS MATAM’: Escritora que chamou vacinados de ‘idiotas’ morre após complicações de Covid-19

A escritora e influenciadora da extrema-direita nos Estados Unidos Cirsten Weldon, de 61 anos, morreu na última quinta-feira (6) vítima da Covid-19.

Cirsten fazia parte do movimento conspiracionista QAnon (responsável pela invasão do Capitólio dos EUA em janeiro de 2020) e, em um de seus vídeos, chegou a ofender quem estava se vacinando contra a doença, que já matou mais de 835 mil pessoas nos EUA.

“As vacinas matam, não entendo. Esses idiotas são assim tão ingênuos. Eles estão todos tomando vacina.”

Ela também tinha um vídeo em que falava que o atual assessor do presidente Joe Bidin para o enfrentamento da pandemia, o imunologista Anthony Fauci, deveria “ser pendurado em uma corda”.

Segundo o site de notícias norte-americano The Daisly Beast, Cirsten foi internada em um hospital da Califórnia em 31 de dezembro, mesma data em que ela postou uma foto usando uma máscara de oxigênio.

A influenciadora, todavia, não admitiu que estava infectada pelo coronavírus.

“Quase morta em um hospital da Califórnia com pneumonia bacteriana”, escreveu aos seguidores no Instagram.

Em um grupo no Telegram, ela disse que se recusou a tomar o antiviral remdesivir, medicamento que atribuía de forma negativa a Anthony Fauci.

Após a morte da escritora, integrantes do QAnon ameaçaram funcionários da equipe que a atendeu no hospital.

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo
Fechar