VAIDADE MORTAL: Unha de acrigel faz jovem perder o pedaço de um dedo

Jennefer Souza, 24, tem ganhado destaque no TikTok após ter a ponta de um dedo removida em uma cirurgia. Ela teve complicações depois de aplicar acrigel em uma unha que estava rachada, e foi ao hospital após perceber a formação de pus e sentir uma “dor horrível”.

Leonardo Kurebayashi, ortopedista cirurgião de mão e punho, explica que o problema, provavelmente, se agravou pelo fato de a unha já estar machucada.

O especialista diz que o crescimento da unha depende de um tecido localizado em sua base chamado de matriz germinativa, responsável pela produção de 90% da unha.

“Esses materiais sintéticos utilizados podem retardar o crescimento da unha ou fazer com que ela cresça de modo irregular, caso haja alguma lesão nesse tecido nobre”, diz Kurebayashi. Por isso, é importante aplicar esses produtos com cautela e, claro, sempre escolher profissionais capacitados.

Vale lembrar que parte do procedimento inclui o uso de uma lixa para deixar a unha áspera e, assim, ter uma maior adesão ao produto. O problema é que essa lixa diminui a espessura da unha, que não está ali à toa —ela serve para proteger um outro tecido nobre que fica abaixo dela, chamado de matriz estéril.

“Quando esse processo é feito repetidamente, você pode expor esse outro tecido também e que é suscetível a infecção”, alerta Kurebayashi.

No final da aplicação, segundo o médico, alguns profissionais usam uma lixa com uma ponta mais fina. “E essa lixa pode ferir ao redor da unha e aumentar a chance de inoculação bacteriana no local”, diz.

Fique atento aos sintomas

Inicialmente, é muito importante prestar atenção numa possível paroníquia aguda —infecção dos tecidos moles ao redor da unha. Quando não tratada, ela pode acumular pus e se estender para outras partes da mão.

Os sintomas iniciais incluem edema (inchaço) e aumento da sensibilidade dos tecidos adjacentes à unha. Geralmente, a paroníquia é resultante de uma inoculação bacteriana, sendo muito relatada após uso de produtos, instrumentos de manicures ou até mesmo pelo hábito de roer unhas, por exemplo.

A maioria dessas infecções é proveniente de agentes bacterianos múltiplos, e o Staphilococcus aureus é o mais comum. Algumas doenças crônicas, como o diabetes, pode ser um fator de risco.

Em seu relato, Jennefer disse que “como essa só estava rachada, a funcionária quis passar a fibra de vidro por cima do ferimento rachado, como se fosse para tampar, e depois fez a acrigel”.

Para o ortopedista, seguir a aplicação com a unha machucada pode ter sido um fator decisivo para o desfecho: a perda de um pedaço do dedo. “Tampar o ferimento pode ter causado a infecção, pois a matriz estéril estava exposta”, diz.

Nesses casos, quando há sintomas e feridas, não hesite: procure ajuda médica urgente. “Se tiver acometimento ósseo, como é comum em casos mais graves, pode haver a necessidade de retirar o tecido infectado para análise”, alerta o médico.

Isso ocorre para que os especialistas consigam identificar qual bactéria está causando o problema e tomar as devidas providências. Lembrando que a infecção na ponta do dedo pode ser muito grave e colocar o dedo inteiro em risco.

“Se não for devidamente cuidada, a infecção pode acometer toda a mão. Pacientes que têm condições sistêmicas mais graves podem, inclusive, ter uma infecção generalizada”, alerta Kurebayashi.

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo
Fechar